Mesmo não sendo especialista em economia e finanças, qualquer pessoa sabe o que os efeitos de uma crise econômica podem causar no país – e consequentemente em suas finanças. O que se deve ter em mente em momentos de incerteza como o que o país passa atualmente é de que se deve controlar gastos.

O que deixa essa situação um pouco mais complicada é que com a crise aumentam também os índices de desemprego, o que faz com que o trabalhador precise realmente administrar os recursos que tem até que consiga uma recolocação no mercado de trabalho.

Neste caso, atenção redobrada aos gastos e uma ótima organização nas finanças ajudarão bastante a segurar o orçamento nesses tempos difíceis. É Gilvan da Cred Nordeste quem dá dicas sobre como organizar as finanças em caso de desemprego. Confira a seguir…

Como organizar as finanças em caso de desemprego

Sugestões de como organizar as finanças em caso de desemprego

Planejamento financeiro

Se ainda não tinha um, a hora é agora. Caso já fosse uma pessoa organizada e tivesse um, a hora é de mexer nele e o atualizar à nova realidade – veja algumas dicas para ajustes no orçamento:

  • atualize todas as entradas e saídas e identifique o que pode ser reduzido ou até mesmo cortado;
  • defina o que realmente é prioridade e deixe em primeiro as despesas mais importantes;
  • hábitos precisam ser revistos: passeios, cinema, restaurantes e tudo mais que implicar gastos desnecessários. A situação é temporária, mas necessária para que se corte despesas e que o orçamento disponível dê para a família se manter.

Não dependa somente do que recebeu da rescisão

Quando demitido sem justa causa, o trabalhador consegue retirar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), mais uma multa rescisória que equivale a 40% em cima do valor e que é paga pela empresa. Há ainda os meses de seguro-desemprego (cinco meses, geralmente).

Esses recursos poderão ajudar com as dívidas mais urgentes e as despesas fixas, mas é uma estabilidade temporária – é isso que se deve ter em mente. Dá para contar com esses recursos? Dá, mas somente por algum tempo.

Encontre alternativas de renda

Estar desempregado pode ser aquele empurrão para, quem sabe, começar o próprio negócio. Muitas pessoas crescem e começam a trilhar caminhos de sucesso exatamente quando estão em uma situação difícil.

Mas se não for esse o caso, há outras possíveis formas de garantir uma renda extra enquanto não consegue uma nova colocação no mercado de trabalho: dar aulas de inglês, aulas de violão, aulas particulares de reforço escolar, fazer trabalho freelancer, fazer doces e salgados, passear com cães, cuidar de pets enquanto os donos viajam e muitas outras opções, basta ser criativo.

Planejamento financeiro em caso de desemprego

Fuja das tentações

Esqueça o cartão de crédito, o limite do cheque especial, não compre nada sem que seja o estritamente necessário para a sobrevivência durante o tempo de instabilidade.
Não caia na tentação das liquidações e promoções de todos os tipos – apenas fique atento às promoções e ofertas de supermercados, essas sim, serão necessárias.

Para finalizar, lembramos que tanto o desempregado quanto a família precisam ser fortes e se unirem para passar por esses momentos de “aperto” e lembrar que é transitório, temporário, e que veio como resultado de um momento ruim pelo qual o país está passando e muitas outras pessoas passam pela mesma situação, mas que com foco, paciência e persistência, logo tudo volta ao normal.

Anunciar no central da lapa