Sempre que se fala em investimento, logo se pensa em grandes quantias de dinheiro, que, para quem consegue ter uma pequena reserva todo mês, parece inalcançável investir mesmo que um pouquinho.

Quem consegue poupar valores pequenos entre R$ 200,00 e R$ 300,00, por exemplo, pode encontrar formas de investir mensalmente essa quantia. Há boas opções de baixo risco para esse tipo de investimento, de pequenos aportes.

É interessante frisar que a atitude de começar a poupar e investir merece ser parabenizada, pois demonstra planejamento e organização nas finanças, além de preocupação com o futuro. A seguir, Gilvan da Cred Nordeste, especialista em finanças pessoais, dá dicas de como e onde investir de R$ 200,00 a R$ 300,00 mensais.

Pequenos investimentos: onde investir de R$ 200,00 a R$ 300,00 mensais

Onde investir pequenos aportes

Caderneta de poupança e CDB

Entre as opções para investimento de baixos valores, está a caderneta de poupança, mas ela tem um retorno que não é tão atraente. Aplicações como CDB (Certificado de Depósito Bancário) e fundos também se encaixam nessa categoria, de não darem tanto retorno financeiro.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um programa que foi desenvolvido pelo Tesouro Nacional em parceira com a BM&FBovespa, trata-se da compra e venda de títulos do governo federal. O que ele faz: vende para pessoas físicas títulos públicos federais, via internet. Possui um baixo grau de risco e pode proporcionar retornos bem interessantes e aceita investimentos a partir de R$ 30,00.

Para investir em títulos do tesouro, é necessário que se conheça um pouco sobre como eles funcionam, para que não se torne um investimento ruim. Possuir um baixo grau de risco não significa ser isento de risco, é preciso ter isso em mente.

O programa oferece três títulos: o Tesouro Selic, o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA+

O Selic é, dos três, o único que permite que o dinheiro seja sacado antes do vencimento. É o título com menos volatilidade, uma vez que segue a taxa Selic.

Já o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA+ só permitem que haja o saque na data que o investidor escolheu para vencimento, por isso o investidor deve estar bem ciente de que antes do prazo, não poderá sacar o valor.

A precaução que se deve ter diz respeito à cobrança de taxas de administração. Essas taxas são cobradas pelas corretoras ou bancos autorizados a negociar os títulos do governo. Algumas operadoras isentam das taxas, já outras cobram até 2% ao ano. Para ficar por dentro das taxas cobradas, veja uma lista das instituições: Tesouro Direto – Instituições Financeiras Habilitadas