O mês de outubro é, simbolicamente, o mês da conscientização sobre a câncer de mama (Outubro Rosa) – simbolicamente porque essa conscientização deve ser constante, cada dia do ano. Só quem passou por isso junto com familiares e amigos ou quem perdeu pessoas queridas, cuja vida foi levada em consequência do aparecimento de um câncer de mama, sabe a real dimensão da dor que se sente.

Outubro Rosa: deixe a conscientização lhe tocar

Outubro Rosa: deixe a conscientização lhe tocar!

Outubro Rosa

Por esse motivo, em outubro, a campanha Outubro Rosa reforça todos os lembretes possíveis e imagináveis sobre a prevenção, os cuidados, os exames e tudo mais que contribui para que se consiga diminuir as estatísticas de mortes por câncer de mama no Brasil.

A luta no combate ao câncer de mama deve ser um dever de todos, porque ninguém está pronto para perde uma filha, a esposa, uma amiga, uma tia, uma mãe ou qualquer outra pessoa que nos seja importante. Na verdade, todo mundo se sensibiliza mesmo em situações que envolva pessoas que não se conheça, porque é triste, a família sofre junto e quando acaba, sempre vai embora junto um pedaço de cada um.

Câncer de mama: tipos e sintomas

É um tumor maligno que se desenvolve na mama, como resultado de alterações genéticas que ocorrem em algum conjunto de células mamárias, que começam então a se dividir de forma descontrolada, ocorrendo então um crescimento anormal das células da mama.

Pode ser invasivo ou não, há tipos diferentes e seu estágio tem 4 fases, que vão da fase zero onde o câncer é quase curável até a fase 4, que é quando já há o comprometimento das glândulas linfáticas.

Quando iniciais, dificilmente apresentam sintomas, quando ele já é perceptível ao dedo, é sinal de que já é uma lesão grande. Mas o nódulo não é o único sintoma, os outros podem ser:

  • vermelhidão na pele;
  • alterações no formato dos mamilos ou das mamas;
  • nódulos na axila;
  • secreção escura saindo pelo mamilo;
  • pele enrugada, como uma casca de laranja;
  • em estágios avançados, a mama pode abrir uma ferida.

Câncer de mama: estatísticas

Os dados são bem alarmantes: mundialmente há 1,38 milhões de novos casos e 458 mil mortes por ano pela doença, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, o Ministério da Saúde estima que sejam 52.680 casos novos em uma ano, 52 casos a cada 100 mil mulheres. De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, uma a cada 12 mulheres terão um tumor nas mamas até os 90 anos.

Câncer de mama: fatores de risco

Muitas mulheres nem conhecem os seus fatores de risco, e isso é bem importante. Aqui alguns deles:

Histórico familiar

Há alguns critérios para que se identifique o risco genético:

  • a mulher ter dois ou mais parentes de primeiro grau com câncer de mama ou um parente de primeiro grau e dois ou mais parentes de segundo ou terceiro grau com a doença;
  • dois parentes de primeiro grau com câncer de mama, sendo que um teve a doença antes de 45 anos;
  • um parente de primeiro grau com câncer de mama bilateral ou um parente de primeiro grau com câncer de mama e um ou mais parentes com câncer de ovário;
  • um parente de segundo ou terceiro grau com câncer de mama e dois ou mais com câncer de ovário;
  • Três ou mais parentes de segundo ou terceiro grau com câncer de mama ou dois parentes de segundo ou terceiro grau com câncer de mama e um ou mais com câncer de ovário.

Idade

A idade entre 40 e 69 anos é a mais propensa a se ter câncer de mama. O motivo é o auge da exposição do hormônio estrógeno nessa faixa etária. A partir dos 50 anos, os riscos entram em curva ascendente.

Outros fatores de risco são: menstruação precoce ou tardia, obesidade, reposição hormonal, colesterol alto, ausência de gravidez e tumor de mama anterior.

Câncer de mama: dicas para prevenir

A prevenção é a adoção de hábitos saudáveis e exames que consigam rastrear um tumor em estágio precoce.

Exercícios, amamentação e dieta balanceada ajudam bastante na prevenção. Já estresse e álcool são elementos que tendem a aumentar o risco de câncer de mama.

O autoexame e a mamografia são imprescindíveis para ajudar na prevenção e no diagnóstico.