Curiosidades: o inventor do “martelinho de ouro”


Home  »  Direção Defensiva   »   Curiosidades: o inventor do “martelinho de ouro”

Curiosidades: o inventor do “martelinho de ouro”

Levante a mão quem não se incomoda com aqueles amassados que eventualmente aparecem na lataria do carro. Às vezes basta uma pedrinha saltar e bater na lataria e deu, já fica um ponto afundado. Uma batida sem querer, uma batida no trânsito, chuva de granizo, várias coisas podem causar aqueles desagradáveis amassadinhos. Mas isso tem conserto: o martelinho de ouro.

Curiosidades: o inventor do "martelinho de ouro”

O que é martelinho de ouro?

Martelinho de ouro é o nome da técnica que tira esses amassados. É um processo rápido e na maioria dos casos, mais barato que a funilaria. É uma técnica originalmente brasileira, não mexe na pintura e tem preço bem acessível. Pode-se dizer que é um trabalho artesanal.

Mas nem todo caso é caso para martelinho de ouro e é bem fácil de identificar: se não saiu a pintura do carro, é martelinho de ouro, mas se saiu a pintura, tem que ser funilaria.

Mas você sabe a origem do serviço? Sabe quem foi o idealizador?

Pois vamos te contar. Em setembro de 2015 a Revista Quatro Rodas publicou uma matéria na qual falava sobre o inventos do martelinho de ouro. Ele se chama Pedro Souza Santana e tem 65 anos. Pedro é funileiro e é quem detém o registro do nome “martelinho de ouro”.

Com 50 anos de experiência na área, ele conta que o apelido foi dado por um cliente, impressionado com a rapidez e com o resultado feito por ele, além de mais barato que a funilaria tradicional.

Pedro trabalhava na fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP), sua função era dar brilho aos veículos. Com o passar do tempo Pedro e dois de seus colegas desenvolveram uma técnica que conseguia eliminar pequenos amassados da lataria, durante a fabricação dos veículos. Foi nessa época que ele se tornou conhecido por fazer reparos sem mexer na pintura original.

O que é martelinho de ouro?

E pasmem! As ferramentas que ele utilizava, foram criadas por ele: alavancas feitas com chifres de boi, galhos, cipós e tacos de sinuca. De acordo com Pedro, “Esses objetos servem para desamassar partes curvilíneas, como um capô. E continuo usando o bom e velho martelinho.”

Pedro Santana trabalha até hoje, mas devido a um acidente, o movimento de um dos seus braços é limitado, mas isso não o impediu de parar, pelo contrário, sua oficina está sempre cheia.

Há atualmente cursos que formam martelinhos de ouro e sabe-se que esse é um dos segmentos da prestação de serviços que sempre tem trabalho e os profissionais qualificados conseguem se colocar no mercado de trabalho de forma bem rápida.

4 thoughts on “Curiosidades: o inventor do “martelinho de ouro”

  1. A história não é bem assim… a técnica já era utilizada em Taubaté antes mesmo do “inventor”

    1. Olá, agradeço pelo seu comentário. Boa pergunta! Como quem registrou a técnica foi o Pedro, os outros dois colegas ficaram no esquecimento, apenas fazem parte da história, mas no anonimato.

  2. Sou profissional da área e asseguro que Pedro nao foi o inventor.
    A coisa realmente mudou 20 anos mais tarde quando o Sr. Oskar Flaig na época funcionário da Mercedes Benz. Seu trabalho era cuidar dos carros expostos em Showroom onde pessoas encostavam, amassavam e arranhavam os carros que precisavam estar tinindo já no dia seguinte, sendo assim, ele trabalhava durante a noite para que os carros estivessem perfeitos no dia seguinte.

    Durante o “International Motor Sports Show” de 1960 (hoje conhecido como SEMA – Show) em Nova York, o Sr. Oskar Flaig entretido em seu trabalho usou a alça de um martelo para remover um pequeno amassado em um carro que posteriormente seria repintado como de costume, porém, sendo essa a primeira vez que se utilizava desta técnica ficou realmente impressionado com o resultado. Este ficou catalogado como sendo o primeiro evento da utilização da técnica de remoção de amassado sem pintura.

    A partir desse evento já de volta a Alemanha Flaig começou a desenvolver e aprimorar as técnicas e ferramentas para reparar pequenos amassados. Ele foi promovido e passou a ser chamado de “Goldflaschner” (não encontrei uma tradução para o português aceitável, mas talvez venha daí o nome “martelinho de ouro” ).

    Oskar Flaig, organizou diversos treinamentos e desenvolver juntamente com outros técnicos diversas ferramentas que contribuíram imensamente para chegarmos ao patamar que estamos hoje.

    Ainda temos uma participação importante na criação dessa técnica com Éric nussle

    Erich Nussle treinado na companhia de Mercedes-Benz 1952-1955 como um latoeiro (latoeiro) em Sindelfingen (Sindelfingen).

    (1955)
    A partir de 1955, ele trabalhou no departamento de pesquisa da empresa, o seu trabalho tem sido associado a todas as fases do carro de produção. Durante a operação, ajudou a projetar e construir as primeiras DSP-ferramentas.

    pdrc.ru/history/gallery_1993_1_thumbnail.jpg

    Após 15 anos de trabalho profissional no departamento de testes demitiu-se do Mercedes-Benz e passou no exame para o reparo de mestres do corpo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.